O Cemitério, de Stephen King.

O jovem médico Louis Creed se muda com sua família para uma pacata cidade no Maine. Ao conhecer o vizinho Jud Crandall, o médico tem cada vez mais a certeza de que levará uma vida normal com sua família. Um terrível engano. Não muito longe de sua residência, existe um cemitério de animais que esconde a entrada para um outro cemitério. Um cemitério muito estranho, onde os mortos lá enterrados têm o péssimo costume de voltar à vida no dia seguinte – de uma forma um tanto “diferente”!

 

Esse livro é bastante elogiado por muita gente e não é pra menos. É uma história assustadora e o humor negro de Stephen King chega a ser pavoroso. Por muitas vezes pensei se não estava maluco ao rir de certas passagens do livro. É de arrepiar!

 

Como na maioria dos livros do mestre, a história começa a “esquentar” mesmo do meio pra frente (por isso não dei nota 10), depois que o falecido gato de Louis Creed volta com vida no dia seguinte, mostrando ao seu dono que “às vezes a morte é melhor”. Daí pra frente, o leitor irá mergulhar num mundo completamente estranho, onde o tema principal do livro é acrescentado de várias outras coisas, inclusive algumas passagens que o fará pensar por muito tempo, depois que terminar a leitura – estamos falando também das visitas do espírito Victor Pascow e do drama de Rachel Creed e sua falecida irmã, Zelda.

 

Pra quem não sabe – poucas pessoas, suponho – o livro virou o filme Cemitério Maldito, dirigido pelo próprio King e depois ganhou uma seqüência (não tão boa quanto a primeira, mas passa). Depois que terminei de ler o livro, fui direto para locadora e peguei o filme. Que decepção! Apesar de ser dirigido por SK, o filme ainda desejou muito a desejar, tanto em termos de história quanto de detalhes. Vale a pena mesmo só para ver o mestre fazer uma “ponta” de padre no filme (detalhe: ele estava rezando a missa de uma personagem que sequer existe no livro).

 

No mais, é um livro que vale a pena. Toda vez que olho para ele na minha estante, fico imaginando a passagem pela qual Louis Creed e Jud Crandall passaram quando foram enterrar o gato no cemitério Mic-Mac. Com certeza, aquele era o último lugar – naquele horário – em que eu gostaria de estar nesse mundo!

 

Nota: 8/10

Autor da resenha: Ciro Martins

 

Tópico: "O Cemitério", de Stephen King.

baixar e-book

Eu quero tanto baixar e-book gratis de SK, quem sabe como faço?

O pior se torna o melhor

Apesar desse livro ter muitos fãs, Stephen King sempre deixa claro que considera o pior livro de sua carreira.
Na época em que escreveu, ele se inspirou na vida dele quando foi dar aula numa escola. A estrada, o caminho, o próprio cemitério existiriam.
A editora da qual ele tinha contrato, pediu um último livro, e ele sem muita importância escreveu este. Sua mulher e um editor leram e detestaram o livro, assim como King previa, pois nas palavras dele, o final do livro vai contra o que ele acredita.
Pode ser boata, porém se for verdade será algo puramente pessoal, pois este livro vendeu mais que A dança da Morte.

Livro : O Cemitério

Este livro é incrível, me envolvi muito com a história, muitas vezes cheguei a ficar sem ar. Não consigo entender como Stephen King consegue envolver tanto os leitores com seus livros gêniais.

O Cemitério

Ei, iá, vamos lá e OZ, o grande e teível não saem da minha cabeça. Muito bom, vale a pena ler.

joe hill

alguem ai ja leu a estrada da noite escrito pelo filho do mestre

Re:joe hill

muito bom estrada da noite.....um dos melhoress...

Re:joe hill

Livraço! Na verdade, eu sinceramente não esperava que fosse tão bom, apesar de alguns amigos terem me indicado como um ótimo livro, eu confesso que fiquei com um pé atrás, por conta do cara ser filho do Mestre Stephen King, daí eu achava que fosse tudo de "mentirinha"! Isso só até o momento em que eu comecei a leitura e pude constatar que se tratava de mais um grande escritor do gênero, com um belo futuro pela frente. Também, com um pai como o King, só poderia dá nisso. Grande livro, ótimo escritor e um livro altamente recomendado, sem dúvida!

Eu daria nota 10

É o meu livro favorito do autor.

Stephen King não dirigiu o filme. Na verdade, ele foi o roteirista. Quem dirigiu foi Mary Lambert.

parabéns!

Excelente...

asunto do leitor

Não cheguei a ler este livro mais esta parecendo ser de grande misterio e em tbmrelação a critica doconpanheiro sobre o filme ele eo escritor ele pode muda o livro tanto para fica melhor como pior como ele msm cima sobre o padre se o padre fica melhor se encaichar na historia e valido o inportante e fica bom

Novo comentário

Biblioteca Sombria