O Caso de Charles Dexter Ward, de H. P. Lovecraft

Para um amante dos livros de terror como eu, é de se espantar que nunca tenha me embrenhado pelo universo de H. P. Lovecraft. Motivos havia aos montes, mas na maioria das vezes eram bobagens, como não gostar de livros de contos nem de narrativas em primeira pessoa. Só que chegou um momento em que parei e pensei: se Lovecraft é um mestre que inspirou Stephen King, Clive Barker, Dean Koontz e tantos outros escritores, é porque algum motivo real existe.

E foi assim que cheguei ao livro O Caso de Charles Dexter Ward. Para meu espanto, o livro não era em primeira pessoa. Para meu maior espanto, também não era em terceira. O livro é, na verdade, um relato e não uma narrativa. Conta a saga de um arqueólogo que descobre que um de seus antepassados era considerado bruxo pelo povo da época, devido ao seu comportamento excêntrico e por praticar atividades um tanto esquisitas. Sons de agonia vindos de sua casa, suspeitas de vampirismo e canibalismo, entre outras coisas, eram parte das histórias contadas. E Charles resolve investigar esse passado. Só não sabia que ia se envolver tão profundamente ao ponto de transformar-se fisicamente, mudar sua personalidade e suas ações. É aí que entra o protagonista central da trama, o Dr. Willet, contratado pelo Ward Pai para descobrir porque o filho mudou tanto e se pode declarar o rapaz como louco. O Dr. Willet segue, então, os passos de Charles. Negando colocar em cheque a insanidade dele, tenta ligar todos os fatos até chegar a um final chocante.

Por ser um relato e não uma narrativa, o livro se torna um tanto cansativo em algumas ocasiões. Nada muito grave. Só é esquisito, para quem não é acostumado, ler aquele texto corrido com raríssimos diálogos. Ainda assim, a trama se desenvolve muito bem, embora os momentos de real tensão só venham a acontecer perto do fim. Talvez tenha sido isso o que mais me decepcionou nessa estreia com Lovecraft. O horror supremo, o terror psicológico, ao menos em O Caso de Charles Dexter Ward não existiu. A atmosfera é sombria, mas não é nada do que imaginava. Claro, isso pode ser um ponto negativo, mas longe de deixar o livro ruim. O final, principalmente, onde o Dr. Willet liga todas as peças, vale e muito a pena.

É fato que Lovecraft não é para qualquer um. A linguagem, por exemplo, é de época – década de 10, 20, 30 – e pode não agradar. Eu gostei. É sempre bom ler algo diferente, o que não quer dizer que seja simples. O ideal é ter um dicionário do lado para algumas palavras já ultrapassadas e que você nunca sonhou que tenham sido usadas um dia. 

São muitas as histórias de Lovecraft que me esperam. Embora O Caso de Charles Dexter Ward não tenha sido a melhor experiência que tive em livros de suspense/terror, me agradou e certamente continuarei acompanhando suas obras.

Nota: 7/10

Autor da resenha: Flávio Assunção Filho

 

Tópico: O Caso de Charles Dexter Ward, de H. P. Lovecraft

RE:

Assim como você, comecei lendo Lovecraft por esse livro. Concordo com tudo o que você falou, o livro progride de uma forma meio lenta, por causa dos relatos, além de não apresentar momentos de tensão/terror com exceção da revelação e as investigações de Willet no final. Mesmo assim, foi uma leitura que eu gostei, embora muito descritivo em vários pontos da obra. Sobre a linguagem, não tive muitas dificuldades, não sei se porque a tradução que eu li(li a versão em português da editora Hedra) era muito boa.
Enfim, existem obras de ficção bem melhores que essa, mas O Caso de Charles Ward não deixa de ser um bom livro.

Lovecraft

Estou bem animada para ler este conto. Nunca gostei muito de terror, mas depois de ler um artigo sobre o Bloop que fazia referência ao H. P. Lovecraft fiquei muito interessada. Quais outros títulos (do autor ou não) me sugere? Abraços!

H. P. Lovecraft.


Ops!.. Esquecí de colocar meu E-MAIL...
<vanzinsr@gmail.com>
Novamente, obrigado!
Ivan S. R.

H. P. Lovecraft.


Pessoal,
estou estudando Tradução Inglês, na UnB e quero fazer um trabalho sobre o Lovecraft. Só que gostaria de saber onde encontro material dele, já digitalizado, pois sou Deficiente Vizual, e não tenho como simplesmente procurar sobre Ele, numa prateleira de uma livraria, por exemplo. Estou tentando encontrar algo na Internet, mãs só conseguí quatro Estórias dele. Abaixo:
-1-Os Gatos - H. P. Lovecraft;
-2-Vento Frio” – H.P. Lovecraft;
-3-Um Sussurro nas Trevas — H.P. Lovecraft;
-4-Nas Montanhas da Loucura — H.P. Lovecraft.
Peço Vóssa ajuda.
Obrigado.
Ivan S. R.

Re:H. P. Lovecraft.

Segue um link de um site que tem a antologia quase completa

http://livrosdoexilado.org/antologia-h-p-lovecraft-h-p-lovecraft/

Lovecraft

Caros, li a resenha e acrescentaria que Lovecraft é muito mais que o relatado. Leiam todos seus contos, o universo pelo ele gerado, seu lado pessoal recluso, o local onde viveu e verão que o bizarro descrito, transcendeu ao que era a vida do autor. Quanto ao vocabulário utilizado, nada demais. As traduções são fiéis à época que foram criados. Recomendo ainda "a cor que caiu do céu, vento frioe um sussurro nas trevas. Abraço a todos e boa leitura.

Obrigada

Yo...interessante, eu acabei de comprar esse livro para ser o meu 1° livro do autor, estou no mesmo caso que o seu, apesar de amar o King eu tambem estava com preguiça de começar HP, mas depois dessa sua resenha eu realmente fiquei interessada nele, obrigado pelo animo *-*

Lovecraft

Um grande livro, para mim nota 9,0. Procure ler os demais trabalhos do mestre, assim que passar a entender o universo fantástico criado por ele, suas considerações em relação a obra resenhada vão mudar para melhor. Pelo menos foi o que aconteceu comigo. :)

Parabéns pelo site!

literatura de terror

Autores de suspense/horror gotico são muitos. Os mais lidos, com certeza sempre serão Edgar Allan Poe e Howard Philips Lovecraft.

realidade

** possível reatar esses por menores **

Novo comentário